Por Ana Maria Campos*

Mário Luiz Silva, farmacêutico, professor e pesquisador da história de Pará de Minas, nasceu em 22 de janeiro de 1906 na Cidade do Pará, atual Pará de Minas, filho do primeiro coletor federal do Município, Silvino Antônio da Silva e Maria Luiza Leite da Silva. Cursou o primário no Grupo Escolar Torquato de Almeida, continuando os estudos no Externato dos professores José Pereira da Costa e José Gonçalves de Melo. Paralelamente, começou a trabalhar na farmácia de seu tio Raimundo Leite. Completou os estudos em Belo Horizonte, no antigo Ginásio Mineiro. Em 1927, graduou-se na primeira turma de Farmácia da Universidade de Minas Gerais, atual UFMG.

Formado, retornou à cidade natal onde fez estágio na farmácia do seu tio Raimundo Leite, onde costumava trabalhar nas férias escolares. No final de 1928 com a ajuda de seu pai, adquiriu a farmácia da Hilda Villaça, alterando a denominação dela para Farmácia Central e instalando-a no prédio em que morava na Praça Padre José Pereira Coelho. No ano seguinte, 1929, ele, o tio Raimundo Leite e o farmacêutico Horácio Salles uniram os estabelecimentos e formaram a Farmácia Santa Maria onde trabalhou como farmacêutico e sócio por mais de 42 anos, quando se aposentou, mas continuou como responsável técnico.

Em 1934, Mário Silva começou a lecionar Química no Ginásio São Geraldo. Foi professor durante mais de 30 anos em todos os cursos da cidade, incluindo a Faculdade de Pará de Minas – Fapam.

Em 1945 foi eleito secretário da Irmandade do Hospital Nossa Senhora da Conceição, função que exerceu até 1994, afastando-se por motivos de saúde. Como farmacêutico dessa casa de saúde, Hospital Nossa Senhora da Conceição, função iniciada em 1972, exerceu-a até julho de 1998. Por mais de 30 anos também foi secretário do Centro de Puericultura Odete Valadares.

Integrou o Conselho Fiscal de três grandes empresas da cidade: Companhia Industrial Paraense, Companhia Melhoramentos de Pará de Minas e Companhia Telefônica  de Pará de Minas.  Foi integrante por mais de 30 anos da Junta Apuradora da Comarca de Pará de Minas e do Corpo de Jurados.

Muito religioso, foi presidente da Congregação Mariana dos Moços por mais de 22 anos, e por sete anos foi tesoureiro do Dispensário Padre Silvestre, da Sociedade São Vicente de Paulo. Foi também Ministro da Eucaristia da Paróquia Nossa Senhora da Piedade, função iniciada em 1977.

Mário Luiz Silva casou-se com a professora Maria de Lourdes Capanema Silva, com quem teve cinco filhos: Maria Luiza, Maria Augusta, Gustavo, Silvino e Lúcia.

Dotado de prodigiosa memória, Mário Luiz Silva era sempre solicitado pelos conterrâneos e amigos a esclarecer algum fato ou dúvida histórica. Escreveu artigos sobre a história de Pará de Minas que foram veiculados no Jornal Paraense e no Gazeta Pará-minense.

Sua pesquisa sobre o Hospital Nossa Senhora da Conceição, minucioso relato sobre a secular instituição de saúde, que levou dez anos para ser concluída, transformou-se em livro, editado em 1993. A pesquisa sobre a velha Matriz Nossa Senhora da Piedade também transformou-se  em livro, editado em 1998.

A contribuição de Mário Luiz Silva à cultura do município de Pará de Minas é imensurável. Como bem mencionou o colega dele Dr. Aluísio Pimenta, no artigo Farmacêutico Mário Luiz Silva, veiculado no jornal Diário da Tarde, de 27 de maio de 2000, página 2, coluna Opinião, “[Mário Silva] devotou-se à pesquisa histórica, enriquecendo a tradição de Pará de Minas”. É de sua autoria dezenas de trabalhos de pesquisas, preciosos registros da história da cidade que foram doados ao Museu Municipal, do qual sempre foi um valioso e dedicado colaborador.

Pelo exemplo de cidadão foi agraciado pela Câmara de Vereadores de Pará de Minas com o Diploma de Mérito, em 1980; em 23 de maio de 1989 o Hospital Nossa Senhora da Conceição inaugurou o Laboratório de Análises Clínicas Farmacêutico Mário Luiz Silva homenageando-o pelos serviços prestados como secretário e responsável técnico da instituição; em 12 de junho 1992 o Museu Histórico outorgou-lhe o troféu Personalidade Patafufo pela significativa colaboração em prol do desenvolvimento da entidade da memória do Município; o Rotary Club Pará de Minas – Bariri concedeu-lhe a Medalha de Mérito em 31 de outubro de 1998, pela contribuição ao desenvolvimento da cidade.

Mário Silva faleceu em Belo Horizonte em 23 de abril de 2000, sendo sepultado no dia seguinte no Cemitério Santo Antônio, em sua terra natal.

No mesmo ano do falecimento dele, a unidade de saúde do Bairro São Pedro, em Pará de Minas, inaugurada em 18 de dezembro de 2000, foi denominada Posto de Saúde Professor Mário Luiz Silva. Em 2011 outra homenagem da municipalidade: a Lei Nº 5.274 de 1º de dezembro, denominou de Mário Luiz Silva o Arquivo Público Municipal de Pará de Minas, perenizando-o como exemplo de cidadão, de profissional, e pela contribuição dele para a historiografia do Município.

O farmacêutico, professor, pesquisador e historiador Mário Luiz Silva, com o exemplo de sua vida e trabalho, constituiu-se em precioso patrimônio cultural de Pará de Minas. A obra e a vida dele devem ser sempre lembradas, parafraseando Aluísio Pimenta no texto acima mencionado.
Em 12.12.2011.

No centro, Mário Luiz Silva ladeado pela esposa D. Lourdinha e pelo provedor do Hospital Nossa Senhora da Conceição, sr. José Raimundo dos Santos, por ocasião da inauguração do laboratório do Hospital: Laboratório de Análises Clínicas Farmacêutico Mário Luiz Silva. 23.05.1989
Fontes:
– Arquivos Muspam – Museu Histórico de Pará de Minas.
– Imagens cedidas por Maria Augusta Capanema Silva.
*Ana Maria de Oliveira Campos é pesquisadora da história de Pará de Minas; diretora do Museu Histórico Municipal.