Um dos patrimônios históricos mais antigos da cidade se rendeu à Festa de Momo, com o Quinta no Museu e exposição temática.

 

O Carnaval começou mais cedo para os pará-minenses, no 1º Quinta no Museu de 2019. Na última quinta-feira, 21 de fevereiro, o projeto Quinta no Museu recebeu, em sua 52ª edição, o Grupo Simplicidade do Samba, que empolgou os participantes com a alegria das marchinhas de carnaval e o ritmo contagiante de sambas antológicos. A apresentação reuniu um diversificado público, que se animou ao relembrar a alegria dos carnavais de outrora como uma forma de resgate dessa que é a mais popular expressão cultural brasileira.

O público presente também pode visitar a exposição A Festa de Momo em Pará de Minas. A mostra apresenta fantasias, adereços e registros fotográficos dos carnavais do município, desde 1904. Quem quiser conferir a exposição, deve se apressar: ela ficará aberta à visitação até a próxima sexta-feira, dia 1º de março, das 9 às 18 horas.

Projeto

Inicialmente denominado Quarta no Museu até a sua 10ª edição, e agora ocorrendo nas terceiras quintas-feiras de cada mês, o projeto Quinta no Museu tem o objetivo de proporcionar à população pará-minense apresentações artísticas e culturais de todas as linguagens, como mais uma opção de lazer, cultura e entretenimento para a comunidade. Realizado pela Prefeitura de Pará de Minas, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Comunicação Institucional, o Quinta no Museu tem o apoio oficial da Base Empreendimentos.

História

O Museu Histórico de Pará de Minas, desde 1984, ano de sua inauguração, abriga a memória histórica de nosso município, além de promover uma ampla programação cultural.

A edificação, considerada a primeira construção da cidade de Pará de Minas, remanesce da manifestação arquitetônica típica do Brasil Colônia. O imóvel de taipa, construído no século XVIII, sediava a fazenda de Manuel Batista, apelidado “Pato-fofo”, considerado fundador da cidade outrora Patafufio, Freguesia de Pitangui. Seus elementos arquitetônicos são ordenados segundo o estilo Colonial Brasileiro, com formas simples e moderadas, mas que no conjunto proporcionam riqueza arquitetônica, própria desse estilo.

Aproximando-se dos trezentos anos, o edifício se mantém erguido, após servir a vários usos, e até mesmo sofrer demolição parcial em 1.969, com imediata reconstrução por intervenção de D. Zezé Castelo Branco, matriarca da tradicional família Castelo Branco, proprietária do casarão na época. Em 1.980, o imóvel passou a integrar o patrimônio municipal. Em 1.984, foi destinado a abrigar o Museu Histórico, Documental, Fotográfico e do Som, com o objetivo de preservar e difundir a história e a cultura de Pará de Minas. A edificação foi tombada pelo Município em 13 de abril de 1.998, pelo Decreto Nº 2.768.

Em 2018, o Museu lançou um novo site, mostrando que está inserido nas novas tecnologias da informação e aberto para a interatividade da era virtual. Nesse ano, o prédio ganhou novo sistema de segurança, com modernas câmeras digitais.

O Museu Histórico, guardião da memória do município, realiza importante trabalho em favor da divulgação, promoção e preservação do patrimônio cultural do Município. Visite esse patrimônio de Pará de Minas e faça uma inesquecível viagem pelo tempo, memória e cultura de Pará de Minas.

O Museu Histórico de Pará de Minas está localizado na Rua Manoel de Souza, 51 – Centro. Seu horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas, e aos domingos, das 9 às 12 horas. Entrada Gratuita.