Querido Pará,

          Não leves a mal que te chame assim, simplesmente “Pará”, nesta linguagem que pretende ser doce e familiar. “Pará de Minas” ficaria um tanto cerimonioso nesta saudação em que se extravasa o afeto que se aninha em nossos corações e te cultua como nossa patriazinha querida, nosso berço amorável.
          Devagarinho, devagarinho, saíste do casulo incrustado nas verdes matas de Minas; de mísero arraialzinho subiste à categoria de vila e num fechar e abrir de olhos te transformaste na urbe simpática, berço de gente de índole forjada no trabalho e na inteligência, vultos que engrandecem a história de Minas e do Brasil.
          Pelo esforço de teus filhos e habitantes, não te transformaste em frio retrato na parede, tal a alegoria drummondiana. Agigantaste teus passos e, com a discrição de tua têmpera, seguiste a senda do progresso.
          Comemoras, neste tempo, teu sesquicentenário. Faz um século e meio que conquistaste tua alforria político-administrativa e te tornaste a promissora Vila do Pará.
          Para registrar fato assim auspicioso, nosso Museu organizou, com muito empenho, esta exposição comemorativa de teu aniversário. Ela quer ser o retrato fiel do fluir de tua vida ao longo destes cento e cinquenta anos de labor e sonhos.
          Os visitantes, certamente, se extasiarão com o perfil que traçaste para ti mesmo como comunidade ordeira, vocacionada para o trabalho e o progresso.
          Que eles percorram  todas as mostras e, ao descobrir fotografias, peças e documentos, recebas, de todos, esta confidência tão simples, tão anunciada, mas profundamente sincera:            
                                                            NÓS TE AMAMOS!
                                                            NÓS TE ADORAMOS!
                                                            NÓS TE LOUVAMOS!

                                                                                                     Pedro Moreira

Texto do Professor Pedro Moreira para a exposição “Pará de Minas, 150 anos. Uma trajetória de fé e trabalho da nossa gente”, inaugurada em 25.11.2009.